Agricultores do Rio de Janeiro recebem apoio de pesquisadores da UFSCar

Data: 31/10/16 09:45:01

Cinco anos depois da tragédia natural que se abateu sobre a região serrana do Rio de Janeiro em 2011 e arrasou cidades, matou 981 pessoas, desabrigou outras 400 mil e devastou propriedades agrícolas, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em parceria com a Cooperativa Central de Crédito Rural com Interação Solidária (Cresol-Baser) e com o apoio do Grupo de Estudos e Pesquisas Agroindustriais (GEPAI) da UFSCar, desenvolve um projeto de fortalecimento da agricultura familiar fluminense que visa minorar os efeitos deste desastre junto aos pequenos produtores. Previsto inicialmente para contemplar os agricultores da região serrana do Rio de Janeiro, o projeto foi estendido para as regiões Norte e Noroeste do mesmo estado.

“A iniciativa oferece assistência técnica, crédito e recursos para investimentos coletivos em comercialização e agregação de valor à produção de pequenos produtores do Rio do Janeiro. Ações nestas linhas auxiliam os agricultores a superarem obstáculos e fortalecerem suas atividades em um contexto de mercado cada vez mais exigente, que cobra regularidade e qualidade oriundos da agricultura familiar”, explica Mario Batalha, professor do Departamento de Engenharia de Produção (DEP) da UFSCar e coordenador do GEPAI.

A equipe da UFSCar, em conjunto com técnicos da Cresol, realizou seminários que reuniram mais de 300 participantes que apresentaram cerca de 70 propostas de investimentos a serem desenvolvidos no âmbito do projeto. Para subsidiar as discussões que aconteceram nos seminários e poder contar com informações que permitam escolher os investimentos que serão financiados, o GEPAI realizou um inédito e detalhado diagnóstico da agricultura familiar fluminense. Este diagnóstico foi finalizado no primeiro semestre deste ano.

“Neste momento estamos realizando visitas técnicas às Associações e Cooperativas de agricultores familiares que tiveram suas propostas aprovadas em uma primeira etapa do processo de avaliação. As informações coletadas nesta etapa da pesquisa de campo permitirão aferir a viabilidade econômica e as condições de sustentabilidade dos projetos apresentados”, salienta o coordenador.

Existe uma perspectiva de investimentos de até R$ 20 milhões em projetos que incrementem a comercialização e agreguem valor à produção agrícola familiar nas regiões atingidas pelo projeto. Pesquisadores do GEPAI e da Cresol deverão acompanhar por três anos as ações que serão desenvolvidas. Além disso, estas equipes deverão oferecer capacitação e gestão profissional aos empreendimentos que forem beneficiários dos recursos.

Academia – O estudo também deverá render frutos acadêmicos para a UFSCar. Neste momento duas dissertações de mestrado e uma tese de doutorado estão sendo desenvolvidas em assuntos afetos ao projeto. Estes trabalhos são realizados por alunos do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da UFSCar. O GEPAI, dos quais estes alunos de pós-graduação e pesquisadores fazem parte, tem se destacado no Brasil e no exterior na condução de pesquisas e trabalhos relacionados à economia e a gestão de sistemas agroindustriais. “A troca de conhecimentos e a interação entre produtores rurais, formuladores e executores de pol&iac ute;ticas públicas proporciona uma melhor formação dos estudantes e geram novos conhecimentos extremamente uteis para o desenvolvimento de todo o setor”, salienta Batalha.