Fisioterapia reduz impactos de doenças crônicas

Data: 11/07/18 11:55:13

As doenças crônicas não transmissíveis, como o câncer, problemas no coração, de pressão arterial, respiratórios ou ainda a diabetes mellitus, são responsáveis pela maioria das mortes no Brasil. Causados por diversos fatores - alcoolismo, tabagismo, sedentarismo e obesidade, são problemas que resultam em dor, limitação funcional, dentre outras dificuldades. Quando não é possível mais prevenir, o diagnóstico precoce e um tratamento multidisciplinar são essenciais. Além de diminuir a exposição a fatores de risco e mudar hábitos e a alimentação, uma assistência fisioterapêutica, associada a remédios, pode reduzir os impactos negativos físicos, psicológicos e sociais do paciente e aumentar sua capacidade e qualidade de vida.

Os fisioterapeutas – profissionais fundamentais e protagonistas no atendimento, no tratamento e na prevenção das doenças crônicas não transmissíveis, vêm abrangendo nas últimas décadas cada vez mais áreas clínicas, com trabalhadores mais capacitados. Nos hipertensos e diabéticos, por exemplo, a fisioterapia orienta para o autocuidado, monitoramento frequente da pressão arterial e em caminhadas. Nos casos de diabetes mellitus, o trabalho instrui ainda cuidados a serem tomados em relação a alterações de sensibilidade, especialmente nos membros inferiores. Em outros casos, a assistência também engloba também exercícios respiratórios, de reequilíbrio muscular, coordenação motora e até hidroterapia.

Para preparar os fisioterapeutas a atuarem com estas enfermidades, nos dias 26, 27 e 28 de outubro acontece o tradicional Simpósio de Fisioterapia na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), que nesta 25ª edição traz o tema “Doenças Crônicas Não-Transmissíveis”. Especialistas que são referência em suas áreas vão dividir o conhecimento com estudantes e pesquisadores sobre diversos assuntos atuais, por meio de palestras, mesas-redondas, apresentação de pesquisas e minicursos. A programação conta com atividades sobre reabilitação no ambiente hospitalar, inclusive no pré e pós-operatório; sobre neurologia e doenças degenerativas; intervenção precoce na neuropediatria; dor craniofacial, dor lombar crônica, dor crônica em atletas; além do Programa Melhora em Casa, de diferentes políticas públicas voltadas para o setor, e outras temáticas. Haverá ainda minicursos, como por exemplo sobre mobilização precoce na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e avaliação funcional no esporte.

Os interessados em apresentar pesquisas no evento podem enviar seus estudos até o dia 16 de julho. Cada autor pode submeter até dois trabalhos nas categorias Neurofuncional; Atenção Básica; Hospitalar; Saúde da Mulher; Reumatologia; Pediatria e Neuropediatria; Ortopedia e Traumatologia; Geriatria; Ergonomia; Dermatofuncional; Cardiorrespiratória; ou ainda Agentes Eletrofísicos em Fisioterapia. Já os interessados em participar do Simpósio podem se inscrever até o dia 19 de outubro, pelo site www.simpfisio2018.faiufscar.com, no qual há mais informações. Até o dia 31 de julho tem desconto. O evento acontece no Anfiteatro Bento Prado Júnior, que está na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar. Dúvidas podem ser esclarecidas pelo email simp.fisio.ufscar@gmail.com.